A aldeia e a lenda da máquina de café expresso

Trekking PR14 Regoufe - DraveTrekking PR14 Regoufe - Drave

A minha ideia de fazer uma caminhada não traz grandes expectativas para além de caminhar, conviver e apreciar a paisagem. Assim, jamais penso em conveniências de primeiro mundo nestas situações, muito menos em zonas remotas como a aldeia de Drave.

“Deserta, mas não abandonada.”

Esta frase – em tempos escrita numa laje de xisto à entrada da aldeia – é a que melhor descreve este lugar isolado na serra da Arada, na zona mais remota do concelho de Arouca. Actualmente sem habitantes, é mantida pelos escuteiros. Sem o trabalho destes, certamente que a aldeia há muito estaria perdida.

Perdi a conta às vezes que visitei Drave, percorrendo o PR14, que é um dos meus trilhos pedestres favoritos. Ou era.

Continuar a ler »

Nas escarpas da Mizarela

Trekking in PR7 (II)

Percurso pedestre "PR7 - Nas Escarpas da Mizarela". Serra da Freita, Arouca, Portugal, 2009.

Mais informações sobre este percurso pedestre aqui.

Islândia 2010 – Parte V

Reykjavík

Perto da meia-noite, o Sol ainda ilumina a Hallgrímskirkja e a estátua de Leif Ericson. Reykjavik, Islândia, 2010.

Dias 6 e 7: Reykjavik e regresso a Portugal

Durante o trekking deitava-me cedo, pois o cansaço da caminhada assim obrigava. Assim, só em Reykjavik pude apreciar pela primeira vez o sol da meia-noite.

Antes de viajar para a Islândia, diziam-me que não ia ser fácil dormir com luz solar permanente durante 24 horas. Bom, se durante o trekking não foi problema, em Reykjavik começaram-se a sentir os efeitos secundários. É muito estranho chegar à hora de ir dormir e ver o sol lá fora: o corpo está cansado e quer ir dormir, mas a cabeça diz-nos para ir lá para fora “fazer coisas”. No entanto, reconheço que mais estranho ainda foi quando cheguei a Portugal e vi noite escura pela primeira vez em 8 dias. Baralha-nos o sistema.

Continuar a ler »

Islândia 2010 – Parte IV

þórsmörk

Bússola no topo do Valahnúkur. Islândia, 2010.

Dia 4: Emstrur - Þórsmörk

A longa travessia no deserto iria continuar durante todo o dia até chegarmos a Þórsmörk (para saber como pronunciar é só ir aqui). Este terá sido mesmo o dia menos interessante.

Não me interpretem mal, as paisagens continuavam a ser belíssimas, mas as expectativas dos dias anteriores foram tão largamente ultrapassadas que cortaram drasticamente no rating de um belo dia como este. Olhar a vastidão dos glaciares de Mýrdalsjökull e Eyjafjallajökull – o “vulcão islandês” – ou rodear o Einhyrningur (“Montanha-Unicórnio”), acabou por ser um pouco desvalorizado relativamente aos primeiros dias.

Continuar a ler »

Islândia 2010 – Parte III

Innri-Emstrua II

Garganta do rio Innri-Emstrua. Islândia, 2010.

Dia 3: Alftavatn – Emstrur

Foi-se a tempestade. O tempo estava muito melhor que no dia anterior, e o sol de vez em quando aparecia, intercalado por alguns chuviscos. Nada de especial, estava um óptimo dia para caminhar e estavam prometidas algumas travessias de rios e mais uma mudança radical de paisagem: do tapete verde de Alftavatn para o deserto negro de Mælifellssandur (pesquisar/copiar/colar mais uma vez…). Para facilitar, chamemos-lhe apenas “deserto negro” daqui em diante.

Continuar a ler »